Blog

Nova década vai exigir quebra de barreiras sociais na educação

O maior desafio está em garantir aprendizagem igual entre os estudantes, independente da situação socioeconômica das famílias.

Por: Lucas Amorelli / Agencia RBS
02/01/2021

Equidade: virtude de quem, ou do que, manifesta senso de justiça, imparcialidade, respeito à igualdade de direitos.
Ter equidade na educação é o primeiro grande desafio da rede pública municipal em Caxias do Sul. Para a secretária que assumiu a pasta no último dia 1º, Sandra Negrini, houve avanços, nos últimos tempos, no que se refere a dar oportunidade, quando são ofertadas vagas a todas as crianças no Ensino Fundamental, apesar de haver déficit na Educação Infantil e no Ensino Médio. Contudo, o principal problema está em vencer barreiras sociais para garantir aprendizagem igual entre os estudantes, independente da situação socioeconômica das famílias. Indicadores educacionais apontam que esse é um dos fatores que impactam no aprendizado
das crianças, porque entre outras questões, limita o acesso à cultura. Além disso, a baixa escolarização dos pais também tem reflexo na educação dos filhos. Sabendo disso, fica mais fácil organizar políticas públicas que possam amortecer os efeitos na educação.

– Temos um grande débito, enquanto sociedade, na questão da aprendizagem. A equidade é nosso maior desafio. Que as crianças aprendam com maior qualidade e quem precisa mais tenha maior atenção, mais possibilidade – pondera a educadora.

Uma das soluções é apostar no trabalho intersetorial junto com outras áreas, como a Assistência Social e a Saúde. Um segundo desafio é a busca ativa de crianças de zero a 3 anos que pertencem a famílias inseridas no Cadastro Único e que não estão em creches ou escolinhas. A meta do plano nacional e municipal de educação é ter 50% desse público atendido, mas até 2017, Caxias tinha 35%. Oportunizar o uso da tecnologia na educação será o terceiro grande desafio. Ele também está relacionado a questão socioeconômica do público atendido pela rede pública. O município está com licitação em andamento para garantir 50 mil acessos à internet
para professores e alunos para ensino remoto. Um investimento de R$ 600 mil. Porém, muitas famílias têm apenas um celular.

– Vamos ter que pensar, qual equipamento vamos ter que conseguir para ele (aluno) acessar. É algo que veio para ficar, temos que nos valer do mundo tecnológico para qualificar os processos de aprendizagem e desenvolvimento das crianças e adolescentes.

Caxias tem 83 escolas de Ensino Fundamental (algumas com pré-escola e outras com ensino para jovens e adultos), com cerca de três mil professores atendendo em torno de 40 mil alunos. Na Educação Infantil, a prefeitura tem gestão compartilhada com 45 instituições.

Na lista de desafios elaborada pelo professor do Curso de Pedagogia da Universidade de Caxias do Sul (UCS), especialista em Educação, Délcio Agliardi, a equidade também está no topo:

– Nós defendemos uma escola voltada ao mundo contemporâneo, respeitando as diferenças e a inclusão, sem perder de vista a importância da função dos educadores para a promoção dos valores universais.

A coordenadora regional de Educação, Viviane Devalle, acredita que, na rede estadual, a curto prazo, já a partir de 2021, será preciso recuperar as perdas pedagógicas que ficaram evidentes em 2020. Depois, manter viva nas equipes a aprendizagem tecnológica. E, ainda, cuidar com muito carinho das equipes, dando suporte às gestões para que consigam retornar a esse “novo normal” de forma branda.

Os 10 desafios, segundo Délcio Agliardi:

  • Equidade e qualidade educacional para fazer frente às desigualdades
  • Aprendizagem significativa em todos os níveis e modalidades de ensino
  • Acesso de todas as crianças da Educação Infantil
  • Formação inicial e continuada de professores para responder a esses desafios
  • Qualificar os espaços e os tempos de leitura e escrita para dominar a língua materna e compreender uma língua estrangeira
  • Qualificar as bibliotecas escolares para responder ao currículo e à formação do gosto literário
  • Ampliar o acesso às tecnologias digitais para promover a inclusão dos estudantes ao mundo em transformação
  • Utilizar os recursos do novo Fundeb de forma adequada em favor das demandas a serem atendidas
  • Fortalecer atividades de contraturno escolar aos mais vulneráveis socialmente
  • Garantir uma escola da infância que cuide e eduque as crianças em tempo integral

Deixe uma resposta